Peça Ajuda

SE ALGUÉM QUE VOCÊ CONHECE SOFREU ESTUPRO OU AGRESSÃO SEXUAL

Quando você conversar com alguém que tenha sofrido algum tipo de agressão sexual, é importante não julgar a pessoa e não tirar o controle dela. Por isso, não force a conversa e não insista em detalhes. As seguintes frases podem ajudar muito no processo de recuperação emocional:

“O que aconteceu não é sua culpa!”

“Eu apoio você” e “Estou sempre disponível quando você estiver pronta/o para conversar”

COISAS QUE VOCÊ PODE FAZER PARA AJUDAR UMA AMIGA/AMIGO QUE SOFREU ESTUPRO OU AGRESSÃO SEXUAL

  • Certifique-se de que a sobrevivente de estupro/ agressão esteja em um lugar seguro longe do agressor. Se ela não estiver, considere ajudá-la a chegar a um local seguro (se isso não colocar você em risco).
  • Se existe um risco imediato para a sobrevivente ou você, entre em contato com a Delegacia da Mulher (19) 3242-5003, ou com a polícia o mais rápido possível (147 para a Polícia Civil e 190 para a Polícia Militar).
  • Se a vítima estiver em risco de morte e precisar de ajuda médica emergencial, ligue 192 (SAMU, para pedir uma ambulância) ou193 (Bombeiros)
  • Se a sobrevivente não precisar da ajuda emergencial, ajude-a a chegar a um centro médico o quanto antes. Em Campinas, o CAISM-UNICAMP é o centro de referência para casos de estupro e agressão sexual. Telefone: (19) 3521-9333 Unicamp Avenida Alexandre Fleming, 101.
  • Incentive a pessoa a fazer o Boletim de Ocorrência na Delegacia da Mulher. A denúncia é importante e possibilitará mais tarde o inicio do processo contra o agressor, caso a vítima queira. Mas lembre-se que decisão de fazer o BO e depois de começar o processo contra o agressor é sempre decisão da sobrevivente de agressão e não deve ser forçada.
  • Peça informações necessárias sobre a segurança e saúde da sobrevivente, mas evite pedir detalhes sobre a agressão. Pode ser muito difícil e traumatizante para a vítima falar do que aconteceu. Respeite o tempo dela/dele.
  • Mostre interesse no que a pessoa fala e pergunte o que você pode fazer para ajudá-la.
  • Informe à sua/seu amiga/amigo que ela/ele pode visitar um centro de apoio como o SOS Ação Mulher e Família para ter mais informações e ajuda. A Central de Atendimento à Mulher (ligue 180) também é um bom recurso.
  • Ofereça-se para ficar com ela/ele. Muitas vezes a pessoa não quer ficar sozinha depois da agressão. Pense em acompanhá-la/o ao hospital ou a outros lugares se ela/ele pedir.
  • Ouça bastante e aceite o que ela/ele falar. Tente não dar uma opinião sobre o que aconteceu. Não julgue e não coloque a culpa na pessoa.  Muitas vítimas se sentem culpadas pelo que aconteceu porque pensam que a agressão poderia ter sido prevenida se tivessem feito algo diferente. Mas na maioria dos casos quando o agressor decide cometer uma agressão sexual, a vítima tem muito pouco controle sobre a situação.
  • Lembre e relembre a pessoa que você a apoia e que não é culpa dela.
  • Sempre respeite a privacidade de sua amiga/seu amigo. Não conte aos outros sobre o que aconteceu sem o consentimento dela/dele.
  • Cuide de você também e procure apoio e alguém para conversar se necessário.
  • Não existe maneira certa ou errada de recuperação de uma agressão sexual. Mas existem maneiras inúteis e autodestrutivas de lidar com o que aconteceu, como abuso de álcool e drogas, afirmações de suicídio ou comportamentos com possíveis consequências nocivas (como sexo sem proteção ou com estranhos, fumo, etc.). Essas coisas são sinais de que sua amiga/amigo precisa de ajuda profissional. Não tenha medo de sugerir que sua amiga/amigo peça ajuda de alguém treinado para ajudar.

Traduzido de http://www.peaceoverviolence.org/emergency/sexual_assault/someone_you_know


SE VOCÊ FOI VÍTIMA DE AGRESSÃO SEXUAL

  • Vá para um lugar seguro, longe do agressor.
  • Entre em contato com alguém em quem você confia e com a DELEGACIA DA MULHER (19-3252.5016 / 3242.5003 - Av. Governador Pedro de Toledo, 1161 – Bonfim – Campinas/SP) ou com um centro de apoio em sua cidade, como o SOS AÇÃO MULHER E FAMÍLIA (19-3232.1544 – Rua Dr. Quirino, 1856 – Centro – Campinas/SP).
  • Procure ajuda médica o quanto antes. Mesmo se você não estiver fisicamente machucada, pode correr o risco de gravidez ou de pegar uma doença sexualmente transmissível.

Hospitais em Campinas:

  1. CAISM-UNICAMP (Centro de Atendimento Integral à Saúde da Mulher) - Faz o atendimento às vítimas de estupro (exames, BOs e medicação necessária para esse tipo de ocorrência). Telefone: (19) 3521.9333. Unicamp - Avenida Alexandre Fleming, 101. http://www.caism.unicamp.br/programas/prog-violencia.html.
  2. HOSPITAL MÁRIO GATTI – Telefone: (19) 3772.5700. Av. Prefeito Faria Lima, 340 - Parque Itália. http://www.hmmg.sp.gov.br/
  3. HOSPITAL OURO VERDE – Telefone: (19) 3266.8717 – 3266.6503 – 3266.6015 e 3266.6314. Avenida Ruy Rodrigues, 3434 - Jardim Yeda.
  • Entre em contato com a DELEGACIA DA MULHER (19-3252.5016 / 3242.5003 - Av. Governador Pedro de Toledo, 1161 – Bonfim – Campinas/SP) e faça o Boletim de Ocorrência (BO). O BO lhe dará a chance de mais tarde processar a pessoa que cometeu o crime e levá-la à justiça se você quiser. É sempre sua decisão se você quer ou não dar prosseguimento ao processo, mas o Boletim de Ocorrência é o primeiro passo. O BO pode ser feito na Delegacia da Mulher. Você receberá uma cópia desse boletim e, se for necessário, será encaminhada para o Exame de Corpo de Delito no IML (Instituto Médico Legal). Sua família também pode fazer o BO indo à Delegacia da Mulher em seu lugar. É só levarem cópia do seu prontuário médico.
  • O hospital ou a Delegacia da Mulher poderá te encaminhar para fazer um exame que pode ajudar na coleta de provas da agressão (Exame de Corpo de Delito que deverá ser feito em até 72 horas da agressão). Por isso, evite trocar de roupa e não se lave antes de chegar ao hospital (se você tiver trocado de roupa, coloque-a em um saco de papel e não de plástico)
  • Não tome remédios por conta própria.
  • Se você suspeitar de que foi drogada, peça um exame de urina e informe isso à enfermeira.

Traduzido de http://www.peaceoverviolence.org/emergency/sexual_assault/what_to_do