Recriando Vínculos

Número de atendimentos pelo Recriando Vínculos

O Projeto Recriando Vínculos é um projeto socioeducativo que oferece um espaço de convivência para crianças de 4 a 11 anos e suas famílias, que vivem em situação de violência doméstica e vulnerabilidade social.

Utilizando o lúdico e o diálogo, favorece novas possibilidades de convívio na família através da informação, reflexão e mobilização das potencialidades dos sujeitos, buscando promover o empoderamento da família e prevenir ações de violência.

Objetivos:

Favorecer um espaço de acolhimento onde, através do brincar, as crianças possam compartilhar e elaborar suas vivências;

  • Buscar a reconstituição dos vínculos familiares através do lúdico;
  • Resgatar as competências dos membros da família;
  • Reafirmar a função do pai como protetor e cuidador da criança.

Como trabalhamos:

O trabalho se desenvolve em uma brinquedoteca

  • Grupo de até 6 crianças e, simultaneamente, com grupo de pais/responsáveis;
  • Encontros semanais ou quinzenais, de 2h de duração;
  • Período de 12 encontros, renovado segundo a necessidade.

Equipe de Supervisão ReCriando Vínculos

Maria Isabel Guimarães Penteado – Coordenadora do ReCriando, Psicóloga, Terapeuta de Família e Casal pelo FAMILIAE/SP, CRP 06/2595-9;
Theresinha de Jesus Serra de Mattos – Doutorada em Física pela Unicamp, Profa Associada aposentada do Instituto de Física da Unicamp;
Cláudia Renata O. Costa Reichling – Assistente Social, Socióloga, Especialista em Relações Sociais de Gênero pela PUC/SP.

 


“...queremos assegurar que este projeto (Recriando) continuará possibilitando a essas crianças e adolescentes saírem do silêncio, conectarem-se ou estabelecerem relações mais efetivas com o grupo social e familiar, através do lúdico e da construção de novas narrativas. Esperamos que as conversas se estendam à família, à escola e outros sistemas sociais e comuniquem suas conquistas e dificuldades, principalmente no que diz respeito à situação de violência.

Queremos também que este projeto viabilize a frequência da população masculina à instituição e garanta de fato um trabalho de integração familiar usando o espaço lúdico que se apresenta como uma forma mais leve para se lidar com questões de violência.

Nossa expectativa é que a ideia desse projeto seja uma semente que germine e dê muitos frutos, que se multiplique em diferentes lugares e com isso evite que as crianças se tornem possíveis clientes quando adultos, e que possamos estar contribuindo para um futuro de trabalhos exclusivamente preventivos nas instituições.”

Maria Isabel G. Penteado – Coordenadora do ReCriando